O rio Paranaíba nasce na serra da Mata da Corda, nos limites do município de Rio Paranaíba – MG, na altitude de 1148 metros em uma região de cerradão íngreme e de difícil aceso. 

Após aproximadamente 150 km, o rio Paranaíba passa pelo perímetro urbano de Patos de Minas/MG e 190 km adiante faz a divisa dos estados de Goiás e Minas Gerais, próximo aos municípios de Coromandel e Guarda-Mor, na barra do rio Verde até sua confluência com o rio Grande no município de Paranaíba/MS, daí inicia-se o rio Paraná até sua foz no rio da Prata. 

A bacia do rio Paranaíba é a segunda maior  da Região Hidrográfica do rio Paraná com aproximadamente 25% de sua área. Drena, ou seja, recebe água de vários outros rios, em uma área de aproximadamente 220 mil km2, com cerca 8,5 milhões de habitantes em 196 municípios, além do Distrito Federal.

Tal bacia é responsável por mais de 70% da produção hidrelétrica do Brasil e fornece água para inúmeros processos de irrigação e abastecimento de cidades. Na calha do rio Paranaíba encontram-se 04 grandes hidrelétricas, quais sejam: Emborcação, Itumbiara, Cachoeira Dourada e São Simão, e muitas outras estão instaladas em seus afluentes. 

Vários relatos históricos apontam que a ocupação de tal bacia se iniciou no século XVI, devido à sua posição estratégica para interiorização do Brasil com a finalidade da “descoberta” e exploração de minerais como ouro e diamantes, além da colonização do planalto central e da região do Sertão da Farinha Podre (hoje Araxá) e Paracatu.  

A história de Patos de Minas está diretamente atrelada à do rio Paranaíba, pois a colonização da região se deu através da abertura de picadas às margens do rio, seus afluentes e lagoas. Inclusive, o nome de Patos de Minas se dá em função dos patos selvagens - os Irerês - que habitavam as lagoas da região. 

Patos de Minas insere-se na Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos do Alto Paranaíba - PN1, sendo que nesta região o rio Paranaíba é considerado como classe 3 de acordo com a Agência Nacional das Águas, apto para captação da água após tratamento complementar. Cabe ressaltar que na parte leste do município, região dos distritos de Chumbo e Bom Sucesso, por exemplo, o município se insere na bacia do rio São Francisco, outra grande bacia nacional. 

Mas, afinal, de onde vem o nome “Paranaíba”?

De acordo com dicionário de topônimos do Tupi-guarani significa "rio ruim" (paraná = rio; aíba = ruim) mas, não do ponto de vista de sua biodiversidade ou de sua beleza, e sim devido às suas águas ruins para navegação, águas correntes. 

Existem inúmeras histórias que permeiam o rio Paranaíba, de muitas pescarias com peixes enormes e muitos, mitos folclóricos tais como o da mãe d‘água, as históricas do poção do jaú e das lavadeiras. O rio também tem sua missão religiosa onde se celebra o dia de Nossa Senhora Aparecida com a barqueada saindo da Igrejinha próxima ao rio. 

Ao longo dos anos ocorreram várias enchentes e estão registradas em fotos (final), em algumas delas como a de 1992 a água chegou nos arcos da ponte histórica que hoje é um patrimônio com mais de 100 anos de construção. 

Todos os nascidos aqui estão relacionados com o rio e sua bacia, somos do “Alto Paranaíba”! Mas, infelizmente, nosso rio sofre! Padece com a estiagem prolongada, contaminações de esgoto, metais pesados, veneno e superexploração. O rio que fornece água para a cidade de Patos de Minas recebe indiscriminadamente esgoto, mesmo na cidade havendo “tratamento”. 

Alguns estudos científicos nesta região têm sido realizados e as conclusões são obvias: os peixes estão diminuindo, a água está poluída e cada dia em menor quantidade!

O rio precisa de respeito, e são necessárias ações reais que disciplinem seus múltiplos usos além de leis e políticas que sejam efetivas. 

É importante lembrar a atuação de várias organizações que ajudam o rio Paranaíba e sua bacia, com ações de plantio de matas ciliares e nascentes, cercamento, peixamento. Tudo é importante e abnegado, parabenizo cada um destes! Porém, precisamos, sobretudo, de leis e educação ambiental! 

O que o rio Paranaíba, aliás nenhum rio, não precisa são de leis e decretos que facilitem o desmatamento de suas áreas preservação permanente, ou ainda  de empresas que dizem que tratam o esgoto e não o fazem. 

Enfim, o rio Paranaíba está arraigado em quem nasce nesta região, afinal foi a partir dele que tudo começou. Ele é forte, resistente, mas, merece respeito e reconhecimento!

Vida longa ao rio Paranaíba! 

Fonte: ANA (2020) - Bacia hidrográfica do rio Paranaíba 

Fonte: Patos Hoje - Enchente 2022

Fonte: Patos Hoje - Seca no rio Paranaíba 

Fonte: Luca adventure - Nascente do rio Paranaíba 

 

Fonte: EFECADEPATOS - Enchente de 1965

Fonte: EFECADEPATOS

Fonte: EFECADEPATOS - Enchente de 1941