Coronavírus fecha maior produtor mundial de preservativos e pode causar escassez

A malaia Karex Bhd fabrica um de cada cinco preservativos do mundo

publicado em 28/03/2020,


 

–––––––––––––––––––––––––––––––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ––––––––––––––––––––––––––––––––
Clinica Medic Imagem

Uma escassez global de preservativos é iminente, alertou o maior fabricante mundial do produto, devido à interrupçao causada pelo coronavírus que levou a suspender a produção.

A malaia Karex Bhd fabrica um de cada cinco preservativos do mundo, mas há mais de uma semana não produz em nenhuma de suas três fábricas na Malásia devido à interdição imposta pelo governo para deter a proliferação do vírus.

Isso já representa um déficit de 100 milhões de preservativos, normalmente comercializados internacionalmente por marcas como Durex, fornecidos por sistemas de saúde pública como o britânico NHS ou distribuídos por programas de ajuda como o Fundo de População das Nações Unidas.

A empresa recebeu permissão de retomar a produção nesta sexta-feira, mas só com 50% de sua mão de obra – uma isenção especial para indústrias essenciais.

“Levará tempo para fazer as fábricas voltarem à ativa, e teremos dificuldade para acompanhar a demanda com meia capacidade”, disse o executivo-chefe Goh Miah Kiat à Reuters.

“Veremos uma escassez global de preservativos em todo lugar, o que será assustador”, disse. “Minha preocupação é que, para muitos programas humanitários nas profundezas da África, a escassez não será só de duas semanas ou um mês. Essa escassez pode durar meses.”

A Malásia é o país mais afetado do sudeste asiático, acumulando 2.161 infecções de coronavírus e 26 mortes. A interdição deve vigorar ao menos até 14 de abril.

Os outros países que são grandes produtores de preservativo são China, onde o coronavírus surgiu e provocou o fechamento generalizado das fábricas, e Índia e Tailândia, que só agora estão vendo uma disparada de infecções.

Fabricantes de outros itens críticos, como luvas médicas, também estão enfrentando percalços em suas operações na Malásia.

“O bom é que a demanda de preservativos ainda é muito forte porque, gostem ou não, ainda é algo essencial para se ter”, disse Goh. “Dado que, a esta altura, as pessoas não estão planejando ter filhos. Não é a hora, com tanta incerteza.”

Fonte: Reuters

Postado em 28/03/2020
Compartilhe:

3 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • Jacinto | 1 mês, 3 semanas atrás

    Como dizia meu avô: quem não tem cão caça com gato, então negrada não quarentena vamos queimar a rosca porque não podemos deixar de nos divertir kkkkkkkkk

    0 0 Responder

  • Uai | 2 meses atrás

    Nao e desculpa p n usar, compra d outra marca uai kkkk

    13 3 Responder

  • Na Real | 2 meses atrás

    Se o "CORONA-VÍRUS" fosse disseminado só pela a camada pobre da sociedade, você diria que seria mais um controle de natalidade, mas como ela atinge mais a camada mais alta da sociedade, a preocupação agora é com a falta de "PRESERVATIVOS", no mundo, agora à preocupação é com os profissionais do sexo! Daqui 4 anos a professora vai chegar na sala de aula do pré-primário e vai receber a lista de chamada, do 1 ao 30, como vocês se chamam: Coronas!!!

    11 4 Responder