Área com avisos de desmatamento na Amazônia sobe 85% em 2019, mostra Inpe

A área com avisos de desmatamento no ano passado somou 9.166 quilômetros quadrados, ante 4.946 quilômetros quadrados em 2018.

publicado em 15/01/2020,


A área com avisos de desmatamento na Amazônia Legal saltou 85% em 2019 na comparação com o ano anterior, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

–––––––––––––––––––––––––––––––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ––––––––––––––––––––––––––––––––
Clinica Medic Imagem

Segundo os dados do sistema Deter, que detecta e alerta sobre focos de desmatamento na floresta, a área com avisos de desmatamento no ano passado somou 9.166 quilômetros quadrados, ante 4.946 quilômetros quadrados em 2018.

Os dados do Deter, que diferem do sistema Prodes, também do Inpe e que apura o desmatamento consolidado da Amazônia no período de referência entre agosto de um ano e julho do seguinte, confirmam a tendência recente de elevação do desmatamento da floresta apontado por dados recentes.

De acordo com os dados do Deter, entre agosto de 2018 e julho de 2019, a área com avisos de desmatamento somou 6.840 quilômetros quadrados. De agosto de 2019 até agora, esse número já é de 4.514 quilômetros quadrados, com sete meses ainda pela frente.

Em novembro, o Inpe também divulgou um crescimento de 29,5% no desmatamento da Amazônia nos 12 meses encerrados em julho, chegando a 9.762 quilômetros quadrados, maior nível em mais de uma década.

Neste mês, o Programa Queimadas do Inpe indicou ainda que o número de focos de incêndio na Amazônia cresceu 30,5% em 2019 na comparação com 2018, para 89.178.

O aumento do desmatamento e das queimadas na Amazônia gerou críticas de ambientalistas ao presidente Jair Bolsonaro e a seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Esses críticos apontam um desmonte nos órgãos de fiscalização ambiental e a retórica de Bolsonaro, que defende a liberação da exploração econômica da floresta, como incentivadores de atividades ilegais.

Bolsonaro e Salles chegaram a questionar os dados do Inpe sobre o desmatamento da Amazônia quando eles já indicavam elevação na destruição da floresta, o que levou à demissão em agosto do ano passado do então diretor do instituto, Ricardo Galvão.

Posteriormente, quando os números começaram a mostrar uma elevação nas queimadas, Bolsonaro chegou a apontar organizações não-governamentais como responsáveis pelos focos de incêndio e até mesmo o astro de Hollywood, Leonardo DiCaprio, que é ativista ambiental.

O episódio também gerou uma troca de farpas pública entre o presidente brasileiro e seu homólogo francês, Emmanuel Macron, que manifestou preocupações com os incêndios florestais.

Em 2019, o Estado da Amazônia Legal com maior área com alertas de desmatamento foi o Pará, com 3.716 quilômetros quadrados, número 120,5% maior que em 2018. Em seguida vieram Mato Grosso, Amazonas, Rondônia, Acre, Roraima, Maranhão, Amapá e Tocantins.

Fonte: Reuters

Postado em 15/01/2020
Compartilhe:

1 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • Riala Mafon | 2 meses, 2 semanas atrás

    Não podemos aceitar que esse ... fique comandando um batalhão de pistoleiros fazendo da Amazônia Legal uma Terra de Ninguém e desmate vorazmente a floresta milenar por pirraça ao PT que sempre protegeu a floresta. Esse infeliz Capitão Monturo vai falir o agronegócio brasileiro, já que a Europa e Ásia não compram nada de produtos agrícolas proveniente da Amazônia. Não podemos permitir que canadenses entrem com maquinaria para garimpagem no nosso território, o Bolsonaro não pode fazer tudo errado para pirraçar a Esquerda. O Brasil não é um patrimônio da familícia.

    3 1 Responder